A primeira coisa que um escritor deve levar em consideração é o tema de seus escritos.

Há quem defenda que um escritor deve ser capaz de escrever sobre qualquer coisa. Mas isso não é verdade: não existe a possibilidade de alguém no mundo ter domínio completo para escrever ‘sobre qualquer coisa’.

Para se escrever sobre determinado assunto é necessário conhecimento e pesquisa – muita pesquisa. É preciso um mergulho para dentro – do tema e de si mesmo.

José Castello, em suas aulas, gosta de dizer que todos temos obsessões. E, no caso do escritor, as obsessões são boas, porque são exatamente elas que o definem, o diferenciam e, por consequência, pautam seu eixo temático e modo de escrita.

Por sua vez, encontramos em uma entrevista de Luiz Ruffato a explicação sobre como ele enveredou pelo caminho do drama operário-urbano e tornou esse o seu assunto preferido e, ainda mais, como desenvolveu a forma própria de escrever sobre isso.

Ruffato, nessa entrevista, nos conta que ‘um dia, quis escrever’ e, logo em seguida se perguntou ‘mas sobre o que eu quero escrever?’.

Essa pergunta é crucial para todos aqueles que se pretendem escritores: a princípio, sente-se um branco inicial (‘eu não sabia sobre o que escrever’) mas, depois, com a reflexão serena do que temos à nossa volta, é possível relacionar fatos, particularidades da vida, aquilo que nos distingue e nos torna únicos.

Claro que não basta pensar: ‘eu assisto seriados, logo, vou escrever sobre os seriados norteamericanos’. Essa pergunta – sobre o quê escrever – deve ser seguida por uma pesquisa interna. Devemos, então, perscrutar o que conhecemos a fundo, sobre o quê nos debruçamos e sobre tudo aquilo que mais nos comove: essa é a obsessão, o assunto sobre o qual poderíamos estudar e discorrer por dias a fio.

Foi exatamente assim que Ruffato descobriu sua vocação e, logo depois, seu assunto.

Acontece que não basta o assunto, apenas. É preciso um projeto de trabalho, um ‘work in progress’ tal como concebido por James Joyce em ‘Finnegans Wake’, uma estruturação daquilo que vai ser examinado, tal como se o livro não fosse apenas um livro, mas uma pesquisa disfarçada de romance, livro de contos ou de poemas.

Tomado esse primeiro passo, então, há que se empreender um estudo profundo de tudo o que já se publicou no Brasil e no mundo sobre o seu tema ou, ao menos, as obras principais. Isso é essencial, na medida em que é necessário entender onde o escritor pretende se inserir e verificar quais as outras obras que dialogam com o seu trabalho.

No caso de Ruffato, ele conta que levou um susto, pois não havia nada sobre o tema que havia escolhido desenvolvido em livro (de conteúdo estritamente literário) no Brasil. Encontrou, apenas, alguns trabalhos paralelos ou tangentes ao seu tema, como ‘O cortiço’ de Aluísio de Azevedo, ‘Os corumbás’ de Armando Fontes e, no fim dos anos 70, o trabalho de Roniwalter Jatobá.

Identificado o assunto e feita a pesquisa, o trabalho do escritor continua. Conhecedor profundo do tema e ciente do que já existe de importante escrito em seu país e no mundo sobre ele, é necessário estabelecer o formato pelo qual o autor se expressará. Obviamente que a história não precisa ser genial, revolucionária, iniciática, nem conter nenhum adjetivo megalômano – requer-se que, no mínimo, o autor saiba do que está falando, ou escrevendo.

Há vários formatos e estilos literários disponíveis. Todos eles são usados pelos escritores com razoável desenvoltura. De fato, para cada história, existe uma ótima forma de contá-la. Não fosse assim, todos os livros de Oscar Wilde seriam como os de Agatha Christie: uma história que muda, mas no final das contas, é sempre a mesma.

Aqui, um parêntesis. Há escritores que buscam uma redação massificada. E isso, a rigor, não pode ser criticado, até porque a literatura de massas faz muito mais pela cultura geral do que o desenvolvimento de formatos e estilos próprios, muito premiados, mas que pouco vendem. É imprescindível, pois, que o escritor, antes de desenvolver seu trabalho, verifique qual seu objetivo com a literatura, e com a escrita de seus textos.

Existe, realmente, um formato adequado para cada estilo literário: romance, novela, conto, crônica, poesia, além da mistura entre esses formatos, como é feito com a ‘prosa poética’ ou a ‘poesia em prosa’. Camões, por exemplo, fez uma epopéia em poesia. Mas esse é um assunto que será melhor desenvolvido em outro capítulo.

Se, finalmente, o escritor optar por uma literatura mais elaborada, deverá também analisar a forma e estilo que serão utilizados no texto.

Assim, veja-se que Martha Medeiros escreve sobre o cotidiano feminino, em formato de crônicas, Neil Gaiman escreve histórias de terror em formato de contos curtos, Lya Luft escreve sobre os abismos da personalidade, em textos de prosa realista e contos de ficção. Já Veríssimo é o mestre do humor em crônicas e contos curtos, Adriana Lisboa escreve sobre sensibilidades que refogem ao olhar, e José Castello tem preferência sobre textos poéticos fazendo exercícios de aprofundamento frase a frase. Milton Hatoum, por sua vez, se esmera numa literatura regionalizada e grandiloquente, ambientada no Amazonas, e João Gilberto Noll domina uma ficção cíclica, obsessiva e erigida sobre absurdos. Cada escritor com seu tema preferido, com seu estilo próprio, com seu jeito único de contar.

Agora é hora de escolher o seu assunto, o seu estilo, o seu jeito de contar e montar o projeto do seu texto com tudo aquilo que mais te incendeia, que mais te incomoda, que puxa pelo pé e te acorda para escrever.

Bom mergulho!

Compartilhar
Artigo anteriorCaindo na real
Próximo artigoAo trabalho
Paula Cajaty
Escritora, editora, poeta e crítica literária. Nasceu no Rio de Janeiro e publicou "Afrodite in verso" e "Sexo Tempo e Poesia" em 2008 e 2010, além de participações em antologias e coletâneas. Criou o boletim Leituras em 2007 e publicou mais de 154 edições até o início de 2014, quando conheceu a Dani Fernandes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here