tempomiragem

tempo miragem

estranho tempo esse
de portas fechadas e
janelas em escâncaras
onde mostramos o que
vai dentro
e não convidamos
para entrar.

estranho tempo esse
áspero e diaspórico
em que se fica em casa, com medo
e se tem vontade
de imigrar.

estranha rua essa
que já não reconheço
era minha infância
que buzinava de moto
irritada pra passar.

estranho esse tempo
todo
feito de estio e miragem
quando tudo o que restou
foi essa imagem, tênue
o seu lenço bordado
e a vontade antiga de chorar.

 

Compartilhar
Artigo anteriorCrítica: ‘Elevador’, de Gabriel Resende Santos
Próximo artigoCrônica: “Anoitece do lado de fora”, de Leandro Jardim
Paula Cajaty
Escritora, editora, poeta e crítica literária. Nasceu no Rio de Janeiro e publicou "Afrodite in verso" e "Sexo Tempo e Poesia" em 2008 e 2010, além de participações em antologias e coletâneas. Criou o boletim Leituras em 2007 e publicou mais de 154 edições até o início de 2014, quando conheceu a Dani Fernandes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here