sopa
Vó, quem diz não gostar de sopa por ser comida de doente não foi feliz como eu, de cama com a maior dor de ouvido do mundo, aos 6 anos, depois daquela minha primeira performance de Dançando na chuva (torrencial), no terraço da sua casa em Minas. Onde já se viu doente feliz, né? Mas eu era, vó, porque o seu cuidado era o amor mais puro, aquele óleo da santinha (consagrado pela Nossa Senhora tão linda ,vestida com seu manto azul e que morava no altar junto com São José, o menino Jesus na manjedoura, o terço de contas de cristal, muitas velas e uma caixa de fósforos, lembro de cada detalhe) era o remédio mais potente que podiam ter pingado no meu ouvido e a sopinha (era canja mas você chamava de sopinha de arroz) que eu tomava sentada na cama e aconchegada naqueles 2 travesseiros só meus (um tinha desenho de flores amarelas e o outro era metade de flores amarelas e a outra metade azul de bolinhas brancas porque eu já era pessoa dessas que mistura estampas), ah, a sopinha era, é, sempre será! a comida que afaga a minha cabeça e diz baixinho que eu não me afobe, não me desespere, que está tudo certo, que está tudo bem e que você não me troca por dinheiro nenhum, vó. Hoje, quando às vezes preparo a sopa até numa noite quente, até quando estou muito saudável (só um pouco cansada), o que eu busco é dar pra mim mesma aquele carinho certeiro que aprendi com você.

Um beijo, vó! Muita saudade. E não esquece de um dia me escrever contando aí das estrelas.

Canja de galinha da minha vó Filhinha
1 peito de frango (se estiver com o osso é melhor)
1 xícara de arroz agulhinha
1/2 cebola grande bem picadinha
4 dentes de alho espremidos
3 colheres de sopa de azeite
2 batatas médias cortadas em cubos pequenos
1 colher (café) rasa de orégano
10 folhas de hortelã bem picadinhas
2 e 1/2 litros de água fervendo
1 colher de sobremesa de suco de limão
1 pitada de pimenta do reino
Sal a gosto
Salsinha picada à gosto
Modo de fazer:
Numa panela de pressão, doure levemente a cebola e o alho no azeite.
Junte a água, o peito de frango, as batatas, o tomate, o orégano e o sal.
Tampe a panela e cozinhe em fogo alto até a panela começar a chiar.
Abaixe o fogo e cozinhe por 20 minutos.
Abra a panela, retire o osso caso haja, desfie o frango, volte com ele para a panela, junte o arroz e cozinhe em fogo baixo até que o arroz esteja bem cozido.
Desligue o fogo, acrescente a hortelã e o suco de limão, misture, corrija o sal se necessário e sirva em cumbucas ou pratos fundos, com salsinha picada por cima.

1 COMENTÁRIO

  1. Oi Ana, que delícia de texto, de recordação, de canja. Que saudades da Vó… poucos tem essas lembranças gostosas.
    Querida, só veja a descrição dos ingredientes da receita, está faltando a quantidade de tomates, já que no modo de fazer, vc publicou assim: “Junte a água, o peito de frango, as batatas, o tomate, o orégano e o sal.”, para mim, não tem problema, eu amo tomates e coloco a qtde. a meu gosto.
    Fica com Deus, muito obrigada.

    Beijinhos,
    Lourdes Maria

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here